Ainda não há comentários

“Pois não me envergonho do Evangelho, porque é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé” (Romanos 1.16-17)

No dia 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero, monge agostiniano, nascido em 1483 e convertido após ler o texto de Romanos 1.17, dirigiu-se à porta da Igreja de Todos os Santos de Wittenberg, na Alemanha, e fixou suas 95 teses, recomendando que a religião se mantivesse fiel à fé individual baseada nas normas da Bíblia, desafiando a teoria e a prática das indulgências papais.

Antes desta data memorável, no entanto, outros homens (os pré-reformadores) já questionavam os rumos tomados pela Igreja Estatal. John Wycliffe (1329-1384), por exemplo, opunha-se ao acúmulo de riquezas da Igreja e à venda de indulgências; John Huss (1373-1415), conhecido por ter sido queimado vivo em praça pública, opunha-se não só à venda de indulgências, mas também à veneração de imagens; Jerônimo Savanarola (1452-1498), pregou contra a imoralidade papal; Desidério Erasmo (1466-1536), atacou a incoerência e a hipocrisia na igreja.

Alguns princípios (ou solas), foram defendidos por reformadores como Lutero, Calvino, Zwínglio e John Knox. Em linhas gerais ensinavam que a salvação não se consegue apenas com boas ações, mas de um livre presente de Deus (soli deo gloria), recebida apenas pela graça (sola gratia) através da fé (sola fide) em Jesus Cristo (sola christus). A base de seus ensinamentos, no entanto, ressaltava que a Bíblia (sola scripturae) é a única fonte de conhecimento divinamente revelada e que não devia estar restrita aos sacerdotes, mas a todos os crentes, princípio que ficou conhecido como o do Sacerdócio Universal.

Neste ano de 2017 a Reforma Protestante comemora 500 anos, e a PIBMarilea, que já vive os Princípios da Igreja Multiplicadora da Convenção Batista Brasileira, enfatizará em seus cultos, programas e planejamentos estes princípios:

Sola fide (somente a fé)
Sola gratia (somente a graça)
Sola scriptura (somente as Escrituras)
Soli Deo gloria (glória somente a Deus)
Solus Christus (somente Cristo)

Neste século ainda devemos defender estes princípios, por entender que refletem a ortodoxia presente na Palavra de Deus. Que o Senhor nos abençoe.

Soli Deo Gloria!
Pr. Fabio M. Martins

Deixe um comentário